(11) 3168-6407 (Fone e Whatsapp) | (11) 97084-7963 Whatsapp (não recebe chamadas)

DETALHES DO PRODUTO

Projeto Envolvopolvo - Quinzenalmente, às Segundas! Oficina Gratuita (PAUSADO TEMPORARIAMENTE)
DESCRIÇÃO
Oficina de Polvinho


Oficina gratuita!


Apoio: Círculo Produtos


2 vezes por mês, às Segundas*


horário: 15 às 17hs


Material para trazer de casa: 1 fio Amigurumi, e 1 agulha de crochê 2,5mm ou 3mm


Próximas datas marcadas:


*02 de março e 16 de março


*É necessário fazer inscrição antecipada pelo whatsapp:(11) 99441-7741 Luciana

  Sobre as datas, avisamos no grupo de whatsapp


Veja matéria publicada em 26 de março de 2019, no portal Coren:


O uso dos polvos de crochê em UTIs neonatais vem ajudando os bebês prematuros a se sentirem mais protegidos e confortáveis em diversas instituições no mundo. Simulando, em partes, o ambiente uterino e o cordão umbilical, por meio dos tentáculos, os polvos transmitem segurança e acalmam as crianças que ficam em incubadoras.

Luciana Martinez dos Santos é técnica de enfermagem há oito anos, artesã e crocheteira. Ela participa de um projeto que desenvolve mantas para entidades carentes e, também, faz e ensina a fazer polvos de crochê para UTIs neonatais em alguns hospitais em São Paulo. “Além de diminuir o estresse e melhorar  o relacionamento interpessoal, o crochê auxilia a coordenação motora e a interação do grupo envolvido. Acredito que esse projeto proporciona melhorias no desenvolvimento dos recém-nascidos prematuros, pois transmite sensações similares do período de gestação”, conta.

Embora não existam pesquisas científicas publicadas sobre o assunto, Luciana diz que os benefícios dessa ação são inegáveis. Segundo ela, é possível comprovar sua eficácia por meio de um estudo observacional, pois quando os bebês estão na companhia do objeto, os estímulos estabilizam os batimentos cardíacos, a respiração, o ganho de peso e o aumento do nível de oxigênio no sangue. “Quando estão acolhidos pelos bichinhos, os pequenos ainda arrancam menos os fios de equipamentos de monitoração e a sonda de alimentação”, diz.

A técnica explica que os tentáculos medem, no máximo, 22 cm quando esticados e os pontos devem ser bem apertados para que o enchimento não saia. Embora seja um cuidado eficaz, ele não substitui o Projeto Canguru, no qual os bebês têm contato direto (pele a pele), com seu pai ou mãe, para adequar sua temperatura corpórea, melhorar ganho ponderal, ter menos riscos de apneia e fortalecer do vínculo familiar.

Para Luciana, o que a motiva continuar com o projeto é poder contribuir com uma assistência na luta pela vida. É compartilhar do amor com cada ser humano. É caminharmos todos juntos pelo bem maior: a vida. “Para mim é uma recompensa enorme, eu consegui unir a profissão que escolhi junto com o artesanato que me escolheu. Hoje, eu posso colocar em prática todo o amor que tenho por ambos e passar adiante os ensinamentos do crochê e, é claro, do amor ao próximo”, finaliza.

--------------------------------------------------------------------


PREÇO

Por: R$0,00

Ou em até 1x de R$ 0,00